Primeira-dama defende professor acusado de racismo e diz que pensa em se fantasiar de “Nega Maluca”

Primeira-dama defende professor acusado de racismo e diz que pensa em se fantasiar de “Nega Maluca”

A primeira-dama do Acre, a esposa do governador Tião Viana (PT), Marlúcia Candida, saiu em defesa do médico e professor de medicina da Universidade Federal do Acre (Ufac), Giovanni Casseb, que foi acusado de racismo por ativistas após se fantasiar de “Negão do WhatsApp” durante aula da saudade de uma turma da Ufac.

LEIA MAIS:

Professor de medicina da Ufac é acusado de racismo por se fantasiar de “Negão do WhatsApp”

Marlúcia usou seu perfil no Facebook na noite de sábado (16) para elogiar Casseb pela irreverência de se fantasiar de personagens durante suas aulas na Ufac.

“A um tempo soube que você se fantasiava para estar mais junto com seus alunos de medicina. Achei o máximo. Fiquei inspirada imaginando que se você é médico se fantasia para tornar o ambiente acadêmico mais leve, eu como arquiteta tinha que, também me fazer ser mais irreverente”, diz.

A primeira-dama afirmou, ainda, que, ao ver as fantasias do professor, sentiu saudade de quando foi professora de educação artística, onde Giovanni foi seu aluno.

“Naquele momento fiquei com saudades da sala de aula a qual fui sua professora de educação artística na oitava série, no Colégio Santa Maria. Ali, fizemos algumas irreverências para despertar a arte. A sua alma é boa, siga o seu coração”, afirma.

Por fim, Marlúcia confessou que já pensou em se fantasiar de “Nega Maluca” para participar dos tradicionais bailes à fantasia em Rio Branco.

“Quanto a minha irreverência, eu já quis me fantasiar de Nega Maluca para o baile à fantasia. Quem sabe eu farei”.

 

A folha do Acre

COMENTÁRIOS

COMENTÁRIOS: 0
DISQUS: 0
WhatsApp chat